Notícia

Ucommune, empresa de coworking chinesa, pode atrair investidores

Ucommune é uma empresa de coworking chinesa

Ninguém gosta de ser comparado com outros. Essa afirmação é ainda mais verdadeira para a Ucommune, uma companhia de coworking chinesa que se candidatou para fazer uma oferta pública oficial nos Estados Unidos na última semana.

Mas as coisas são um pouco complicadas. Não é preciso citar o nome da empresa de coworking norte-americana que é basicamente uma cópia da Ucommune, mas a referência é clara.

Leia também

Apesar do ânimo, a confiança do investidor está baixa

Abaixo estão alguns alguns números da organização: 

  • Em 30 de setembro de 2019, a Ucommune já possuía 171 espaços e 72.700 estações de trabalhos. Tudo isso na China, mas a empresa abriu um pequeno grupo de prédios em Manhattan em 2018;
  • A Ucommune levantou U$ 704 milhões com investidores, um deles a Sequoia, empresa gigante de capital de risco. Sua avaliação de mercado é de U$ 2,6 bilhões;
  • No entanto, a Ucommune está perdendo dinheiro, principalmente porque locações novas levam um bom tempo para atrair contratos e dar lucro. Nos nove primeiros meses do ano, a Ucommune teve uma perda líquida de U$ 80 milhões nos U$ 120 milhões de receita.

Os investidores ainda precisam decidir se colocariam ou não seu dinheiro na empresa.

Este conteúdo é uma tradução e adaptação do texto originalmente produzido pelo Morning Brew.

Publicações relacionadas
Notícia

Leilão do 5G no Brasil não acontecerá em 2020

Notícia

Última aposta da Intel em Inteligência Artificial é uma negociação de U$ 2 bilhões vinda de Israel

Notícia

Apesar do ânimo, a confiança do investidor está baixa

Notícia

Aramco, empresa árabe-saudita, atinge valuation de U$ 2 trilhões