Artigos

Tráfego mobile não para de crescer

Crescimento do tráfego mobile não para

Quando em 2015 o Google mexeu em tudo e incentivou o mobile first, todo o mercado se movimentou para atender aos smartphones, principalmente no e-commerce, e adaptar os sites aos novos tempos. Chegamos, agora, ao momento esperado: o tráfego mobile e as conversões dele oriundas têm imperado na web.

O estado do tráfego mobile, 2019/2020

Segundo o último estudo da SimilarWeb, o tráfego mobile aumentou 30,6%, enquanto o tráfego oriundo de desktops caiu 3,3%. Não são só os números que mudam. O comportamento dos visitantes também difere. Mesmo quando navegam de seus desktops, os usuários ficam nas páginas por menos tempo, por exemplo, o que tem sérios impactos nas métricas usadas para qualificar e quantificar conteúdo, engajamento e interesse.

O relatório revela que, em 2019, o tráfego nos maiores 100 sites aumentou 8% em relação a 2018, e 11,8% em comparação com 2017, com uma média de 223 bilhões de visitas por mês. Os maiores aumentos aconteceram em abril/19 e junho/19 quando o tráfego cresceu mais de 10% em relação ao mesmo período em 2018.

Embora o aumento de tráfego seja impulsionado pelo mobile, os visitantes não ficam muito tempo nos sites. Em todas as plataformas, o tempo gasto em sites caiu 49 segundos entre 2017 e 2019. Além disso, o móvel é a plataforma escolhida para determinadas categorias, superando os desktops nos sites adultos, de jogo, comida e bebida, pets, saúde, comunidade e sociedade, esportes e estilo de vida. Ao longo dos anos, outras categorias estão migrando para o mobile, inclusive notícias e mídia, veículos, viagens, referência, finanças e outros. 

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Claro que nem todas as categorias têm o mesmo desempenho. O estudo da SimilarWeb mostra que os 10 maiores sites só fazem crescer e concentrar o tráfego, enquanto os menores crescem em taxas mais baixas — exceção ao Facebook, que ainda perdeu tráfego em seu domínio nos últimos dois anos, mas ganhando no Instagram e no WhatsApp.

Previsões de aumento exponencial de tráfego mobile

Enquanto isso, o relatório Cisco Mobile Data Traffic Forecast prevê que o tráfego mobile global atingirá um zettabyte ao final de 2022. Isso quer dizer 1 trilhão de gigabytes em dados circulandos pela rede.

Segundo esse estudo, o tráfego móvel cresceu 17 vezes nos últimos cinco anos, e as projeções são de que esse tipo de navegação será responsável por 20% do tráfego em 2022, contra 5% em 2010. Diz o texto:

[…] o número de usuários móveis cresceu rapidamente e a demanda por mais banda para tráfego de dados e vídeo só aumenta. Nos próximos 5 anos essa adoção do vídeo móvel não deve mudar.

Cisco Mobile Data Traffic Forecast

A previsão é que a velocidade de conexão dos smartphones será maior que 40 Mbps em 2022, com o móvel dominando 90% do tráfego mobile, apesar de ser esperado que sejam 54% do total de aparelhos e conexões. O estudo da Cisco também aponta para uma diminuição da participação de tablets e laptops e um rápido declínio de portáteis e não smartphones nessa categoria de tráfego. 

Dois pontos chamam a atenção: usuários de iOS consomem mais dados — 9,1 GB/mês contra 8,6GB/mês dos usuários de Android; e quanto maior a velocidade de tráfego mobile, maior o aumento de consumo de vídeo. Muda também a geopolítica de consumo. O maior crescimento acontecerá na região da Ásia-Pacífico, onde estão China, Japão, Hong Kong, Austrália e Nova Zelândia, entre outros países. A América do Norte, que já foi a maior consumidora de tráfego, ficará em quarto lugar em 2022, sendo ultrapassada pela Europa Central e Oriental, Oriente Médio e África. 

Além disso, o relatório da Cisco diz que o tráfego “inteligente”, derivado de equipamentos e dispositivos “smart” será responsável por 99% do total e 73% dos dispositivos em 2022. Em 2017, um dispositivo inteligente gerava 10 vezes mais tráfego que um não inteligente. E em 2022 deverá ser 15 vezes.

A previsão para 2022 é que o tráfego móvel alcance as seguintes marcas:

  1. O total de dados será de 77 exabytes (77 bilhões de gigabytes);
  2. O número de dispositivos móveis per capita será 1,5;
  3. As conexões 4G serão responsáveis por 54% das conexões mobile;
  4. O tráfego 4G será responsável por 71% do tráfego móvel total;
  5. O tráfego 5G responderá por 12% do total.
Leia também

O que o mercado prevê para o futuro dos streamings

Mobile x desktop? Coexistência pacífica e foco no negócio

Desde 2015, quando o Google lançou sua campanha pelo mobile first, a conversão aos dispositivos móveis tem sido cada vez maior. Usabilidade, material design, boas práticas de construção de sites e aplicativos estão na ponta dos dedos.

Nos Estados Unidos, 77% da população tem smartphones — mais de 230 milhões de consumidores. No natal de 2018, 40% das compras foram via mobile. E os dispositivos são ótimas ferramentas para que clientes verifiquem produtos, seus preços e outras lojas enquanto avaliam uma compra.

Segundo dados do The Drum, 2019 E-commerce Year in Review, 65% do tráfego e 53% das conversões de vendas do e-commerce norte americano veio do mobile. A participação varia de acordo com as categorias, mas a tendência é o aumento do uso do mobile e a queda das outras fontes de navegação.

Enquanto isso, o Brasil está na terceira posição em uso de celulares. Segundo relatório 2020 da App Annie, os usuários lideram em horas de uso e puxam para cima a curva de downloads de apps. Eles são usados para games, finanças e, claro, compras. Por aqui também foi o país onde os aplicativos de carona tiveram o maior crescimento em todo o mundo.

Cada vez mais o acesso à informação, diversão, contato e negócios será através dos dispositivos móveis. O sucesso das estratégias de marketing passa, sem dúvida, pela inclusão do mobile no centro de todo o planejamento.

Se você não pode esquecer que desktops e laptops ainda existem, também deve lembrar que todos os elementos de seus sites e campanhas precisam ser amigáveis no mobile. Esses são os pontos principais:

  • amigável ao toque: espaçamento, botões, links e calls to action clicáveis em telas pequenas;
  • números de telefone em texto, codificados corretamente para que funcionem e também possam ser compartilhados;
  • menus apropriados ao mobile: com mais espaçamento e clareza.

O crescimento do tráfego mobile ainda traz um grande desafio: manter os usuários mais tempo nos aplicativos da empresa. Não há mágicas para conseguir tal feito, mas existem cuidados que as companhias devem se atentar.

Publicações relacionadas
Artigos

Anúncios online durante a pandemia

Artigos

Preparado para inovar seu modelo de negócios? É agora ou nunca

Artigos

A repaginação do mundo globalizado

Artigos

É tarde para pensar sobre gestão de risco?