ArtigosEntrevistas

De que forma o uso de dados beneficia o mercado imobiliário

Dados no setor imobiliário

Uma importante ferramenta na hora de contratar serviços ou comprar produtos, os meios digitais revolucionaram praticamente todos os mercados nos últimos anos. A facilidade de encomendar o seu jantar, pedir um táxi ou pesquisar as opções e os melhores preços de um determinado artigo são só alguns dos benefícios que avanços tecnológicos têm trazido ano após ano.

Até mesmo mercados mais tradicionais e até pouco tempo “impermeáveis” às inovações passaram a ver com bons olhos o que pode ser feito por quem busca experiências de consumo cada vez mais relevantes e exclusivas. O setor imobiliário é um deles e vê nas iBuyers o futuro de suas transações.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Mas o que é uma iBuyer?

O processo de compra e venda pode se tornar uma experiência bastante cansativa tanto para compradores, que buscam exaustivamente o imóvel perfeito e, quando o encontram, esbarram na democracia ou em formas de pagamento pouco atraentes, quanto para quem quer vender o próprio imóvel. A espera até encontrar o comprador ideal pode chegar a um ano e quatro meses segundo dados levantados pela Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias. 

As iBuyers chegaram ao mercado imobiliário com o objetivo de descomplicar cada uma das etapas que envolvem esse tipo de transação investindo à vista em imóveis oferecidos no mercado, renovando-os e colocando-os à venda por um valor justo de acordo com a realidade da região em que estão localizados.

Essa nova forma de fazer negócios utiliza algoritmos que combinam dados levantados em milhares de transações realizadas nos últimos anos para alcançar o preço certo tanto para quem compra quanto para quem vende imóveis. “O grande desafio é conseguir esses dados”, diz Guilherme Duarte Marmerola, Data Science Manager da Loft. “Para conseguirmos nossa base de transações, fomos até os cartórios e adquirimos cópias das matrículas dos imóveis. Depois, usamos inteligência artificial para ler esses documentos e guardar o histórico em nossa base”.

Hoje já é possível consultar o valor calculado pela combinação de informações em mais de 6 mil prédios da capital paulista por meio de plataformas como o Quanto vale ou o Cadê meu Apartamento.

Esse modelo inovador de negócios surgiu nos EUA e já corresponde a 10% das transações imobiliárias em território norte-americano (dados disponíveis em iProperty Management), tendo em empresas como a pioneira Opendoor, a Redfin e a Zillow suas principais representantes. Um pouco diferente do mercado brasileiro, lá já é possível comprar e vender casas e apartamentos em poucos minutos utilizando somente um aplicativo. 

Mercado em crescimento e mais competitivo

O ano de 2019 já é visto por especialistas como o ano da retomada ainda que a alta nas negociações por imóveis venha acontecendo desde 2017. O bom momento já contabiliza 30.607 unidades lançadas (11,8% a mais que 2018) e 32.813 casas e apartamentos vendidos (alta de 16%).

Os números da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) também indicam que mais imóveis foram vendidos do que lançados esse ano em um mercado aquecido principalmente pelas regiões sudeste, com sua concentração de polos econômicos atraentes para empresas e para quem busca grandes oportunidades de trabalho, e centro-oeste, com estados movidos pelo rentável setor do agronegócio. Para completar, o preço dos imóveis subiu 8% acima da inflação, dado relevante para José Carlos Martins, presidente do CBIC. “O preço do metro já passa a ser importante”, conclui.

As iBuyers se aproveitam do momento pela agilidade com que concretizam suas negociações uma vez que não importa muito o estado em que os apartamentos se encontram.

A base de dados reunida por empresas desse segmento é de vital importância já que é possível determinar a liquidez de um imóvel, entender as características que diferenciam os bairros, quais reformas são mais eficazes para alavancar preços, entre outras informações que refinam o processo de compra e venda.

Precificação ideal é o elemento chave do modelo

Essa forma de fazer negócios transforma a vida dos três pilares que constituem o setor imobiliário – compradores, vendedores e corretores. Sem intermediários ou burocracias envolvendo financiamentos, o dinheiro chega em sua totalidade na conta de quem vendeu.

Além disso, a base de dados construída por essas empresas auxiliam no rápido levantamento de um valor justo tanto para as empresa quanto para os proprietários, tornando todos os eventos desde a proposta até a negociação muito mais transparentes. Quem compra também se beneficia dessas informações pois pode utilizar o ambiente virtual oferecido por essas empresas para encontrar seu próximo lar com as características ideais de estrutura do imóvel, serviços oferecidos pelo condomínio (como quadra, lavanderia, portaria 24 horas) e no bairro perfeito com espaços inteiramente reformados e prontos para morar.

Corretores também podem ficar mais tranquilos já que passam a funcionar como agentes em busca de oportunidades nos bairros onde essas empresas atuam e recebem todas as informações acerca de cada imóvel para prestar um atendimento alinhado com as necessidades de cada cliente. “Com uma referência comum de preços, esperamos trazer ao mercado a transparência que falta e ajudar essas pessoas a colaborarem para que mais negócios sejam fechados, aumentando a liquidez do mercado”, analisa Guilherme.

O futuro do setor imobiliário

É correto afirmar que uma sólida base de dados cria aspectos positivos na forma como as transações ocorrem dentro de um determinado segmento. A médio e longo prazo, mais informações são reunidas e tratadas, possibilitando que outras áreas dentro do próprio setor sejam beneficiadas.

Recursos como inteligência artificial e machine learning já estão sendo empregados no segmento de reformas, reduzindo o tempo das obras e otimizando processos. Fenômeno similar pode ser encontrado na área jurídica dessas empresas que encontra na automatização de tarefas repetitivas e tecnologias de análises de documentos para facilitar não só a vida dos advogados, mas também a de quem administra e cuida do dia a dia financeiro da empresa. 

Como eternizou Albert Einstein: “A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”. O fenômeno tecnológico que toca e transforma cada mercado chegou para mudar para sempre a forma como compramos e vendemos imóveis ao descomplicar e tornar nossa jornada – da busca até o fechamento do negócio – muito mais agradável.

Este conteúdo é um guest post da Loft.

Publicações relacionadas
Artigos

O profissional T do Marketing

Artigos

Leitura ganha destaque na quarentena

Artigos

Mumbuca, o dinheiro maricaense

Artigos

Os primeiros passos em machine learning