Artigos

Quais são as empresas mais inovadoras do mundo e o que elas têm em comum

Empresas Inovadoras

Ações disruptivas e estratégias inovadoras se consolidaram como uma das principais metas para gestores nos últimos anos. Afinal, antecipar tendências é o caminho para assegurar a sobrevivência no mercado e ampliar as chances de ver os resultados financeiros serem mais promissores.

Mas, quem realmente tem sido capaz de inovar? Essa pergunta foi respondida pela Fast Company. A revista sobre tecnologia e informação apontou as 50 companhias mais inovadoras de 2019.

O que essas empresas têm em comum e o que elas fazem para serem, efetivamente disruptivas? Alguns pontos podem ser identificados quando analisamos quem são as companhias que lideram essa relação e quais são seus modelos de negócio.

As empresas mais inovadoras de 2019

As duas empresas mais inovadoras do mundo, segundo a Fast Company, hoje estão mudando a forma como centenas de milhões de consumidores asiáticos compram alimentos, reservam hotéis e se relacionam com outros serviços.

A primeira da lista é a Meituan Dianping, uma empresa chinesa, cujo objetivo é ser a Amazon de serviços.

Meituan Dianping

Os aplicativos da Meituan Dianping conectam consumidores a empresas locais para a compra de alimentos, reservas de hotéis e ingressos de cinema, entre outros serviços. Em 2018, a partir da aquisição da empresa de compartilhamento de bicicletas Mobike, passou também a oferecer serviços de transporte local.

No primeiro semestre de 2018, a Meituan intermediou 2,77 bilhões de transações de entrega de alimentos para mais de 350 milhões de pessoas em 2.800 cidades. Seu volume bruto de transações em todos os seus serviços totalizou US$ 33,8 bilhões.

Já a Grab, segunda colocada na lista de empresas mais inovadoras, está sediada em Cingapura.

Grab

Maior serviço de transporte individual da Ásia, a Grab é comparável à Uber para o público do sudeste asiático. Inclusive, a companhia de Cingapura forçou a saída da Uber da região em 2018, com domínio do mercado de 8 países: Malásia, Cingapura, Indonésia, Tailândia, Vietnã, Camboja, Filipinas e Myanmar.

Também em 2018, a companhia expandiu seu aplicativo para oferecer aos seus 130 milhões de usuários não apenas entrega de alimentos e reservas de viagens, mas também serviços financeiros e outras alternativas.

No início de março, a Grab recebeu aporte bilionário da SoftBank, fazendo seu valor de mercado saltar de US$ 11 bilhões para US$ 14 bilhões.

Super apps, análise de dados e inovação

Além de operarem no mercado asiático, o que Meituan e Grab têm em comum? As duas companhias são conhecidas como Super Apps, uma vez que oferecem vários serviços em único aplicativo.

Juntas, as empresas estão mudando a forma de consumo de centenas de milhões de pessoas na Ásia em operações altamente complexas. “Queremos ajudar milhões de pessoas a passarem pela economia e subir a escala social”, diz o co-fundador da Grab, Hooi Ling Tan.

A Meituan tem a compra de alimentos como sua principal oferta, mas é capaz de utilizar dados sobre hábitos de consumo para, com informações como sensibilidade ao preço, recomendar outros serviços aos seus usuários.

“Nossa estratégia de integrar diferentes negócios é atrair um grande volume de usuários com serviços de alta frequência e, em seguida, impulsionar alguns serviços de baixa e média frequência como cortes de cabelo e serviços de casamento”, diz Xia Huaxia, cientista-chefe da Meituan.

Já a Grab usa dados de transporte para descobrir quais serviços serão lançados em seguida. “Temos trazido usuários para essas empresas. Agora eles podem vir até você”, acrescenta o co-fundador da companhia.

Para conseguirem atingir agressivas metas de crescimento, essas companhias se voltam para “uma cultura de longo prazo”, como define o cientista-chefe da Meituan.

Embora sua receita no primeiro semestre de 2018 tenha sido de US$ 3,8 bilhões, a companhia chines está competindo ferozmente com o Alibaba e sofreu perdas significativas à medida que persegue sua visão.

A Grab, por sua vez, tem a concorrência no sudeste asiático de outra startup, Go-Jek, e fez parcerias com empresas como Toyota, Microsoft e Mastercard, em vez de construir tudo sozinha. “Podemos ser mais inteligentes e mais rápidos ao tornar a plataforma mais aberta”, analisa Hooi Ling Tan.

Com super aplicativos transacionais, Meituan e Grab estão avançando para construir um novo modelo para a economia de serviços para bilhões de pessoas.

Nubank: representante do Brasil entre mais inovadoras do mundo

Logo atrás das duas companhias asiáticas, a lista de empresas mais inovadoras da Fast Company relaciona duas empresas ligadas a entretenimento: a NBA (liga nacional de basquete dos Estados Unidos) e The Walt Disney Company. A relação das 50 empresas mais inovadoras têm ainda gigantes como Alibaba e Apple, além de uma representante do Brasil: Nubank.

O Nubank é apresentado como o maior banco digital fora da Ásia, com 5 milhões de usuários, e responsável pela oferta de uma alternativa atraente com seus cartões de crédito e contas de taxas reduzidas.

Fato é que a “dona do roxinho” se destaca entre estratégias inovadoras do mercado financeiro.

Publicações relacionadas
Artigos

Inovação asiática, super apps alimentam disputa de novos negócios digitais

Artigos

Computação Quântica: conheça a tecnologia que revolucionará o futuro

Artigos

Conheça a estratégia do atacadista Assaí para atrair micro e pequenos empreendedores

Artigos

Google se torna marketplace com compras também pelo Youtube