Desenvolva sua equipe

Habilidades do futuro e a automação da força de trabalho

Habilidades do futuro

Com a chegada da transformação digital, o ritmo das empresas, que já era acelerado, aumentou ainda mais.

Não há como negar que o surgimento de novas tecnologias mudou para sempre a forma de planejar e executar as mais diversas estratégias e possibilitou resolver problemas nunca atacados antes.

Alguns ainda insistem em ver esses avanços com certa desconfiança e enxergar a transformação digital como ameaça. Mas a verdade é que ela contribui muito para o desenvolvimento de organizações mais sólidas e sustentáveis.

Mas toda essa revolução nas empresas não poderia acontecer sem alterações radicais nas habilidades dos profissionais que trabalham nelas.

A automação, característica marcante da tecnologia, está moldando a nova força de trabalho e dando o tom das habilidades que serão necessárias para os profissionais do futuro.

Veja como esse processo está acontecendo mundialmente, e o que a sua empresa precisa fazer para se ajustar à realidade do mercado cada vez mais digital.

Como a transformação digital vai mudar a sua forma de trabalhar

Uma das primeiras suposições que se faz quando o assunto é o impacto da tecnologia na forma de trabalhar é: “máquinas vão tirar os empregos das pessoas”.

Mas essa não é, necessariamente, a verdade. Enquanto muitas tarefas são automatizadas, haverá necessidade crescente de humanos devidamente habilitados para operar máquinas inteligentes ou usá-las como recurso no dia a dia.

E muitas pessoas já se mostraram dispostas a aderir ao novo cenário e não enxergam a inteligência artificial como ameaça.

Já que é assim, de que formas a transformação digital vai alterar a maneira de trabalhar nas empresas? Podemos destacar, pelo menos, quatro maneiras:

Novas oportunidades

A transformação digital trará muitas oportunidades para que os profissionais se qualifiquem e trabalhem dentro de suas carreiras de origem, ou até mudem para novas áreas.

Tudo que eles precisarão é de disposição para se despir de velhos métodos e conceitos e reaprender a trabalhar em conjunto com máquinas inteligentes e processos digitais.

Maior necessidade de adaptação

Será impossível fazer a mesma coisa por 30 anos sem grandes mudanças na forma de trabalhar, como acontecia antigamente. Para isso, é importante se adaptar e se reinventar a cada poucos anos (ou até meses) para permanecer relevante.

Isso vale para colaboradores, de forma individual, e para as organizações, no espectro mais amplo.

Reformulação na estrutura das empresas

Os executivos C-Suite devem liderar a transformação digital, e terão um papel de maior destaque depois que ela estiver em um estágio mais maduro.

Isso exigirá pessoas que entendem de tecnologia e sabem gerir equipes com uma mentalidade de autonomia. Também será necessário fazer ajustes no setor de RH, pois várias características normais mudarão drasticamente.

Ampliação do papel dos profissionais

A busca por pessoas que sabem usar a tecnologia, mas também lidam bem com outros, sugere que o papel dos profissionais será de maior autonomia e responsabilidade.

Além disso, as realocações e contratações de freelancers mudarão constantemente as formações de equipes e até departamentos inteiros, o que exigirá mais ainda desses profissionais.

Como a automação vai determinar as habilidades do futuro

Novos rumos exigem novas habilidades, e com a automação da força de trabalho a tendência é que as empresas busquem profissionais com habilidades diferentes do que se prioriza hoje.

Na verdade, segundo pesquisa da McKinsey, essa busca já começou e deve alcançar seu pico em 2030. Ou seja, as habilidades do futuro não são tão para o futuro assim, já que em muitas organizações a transformação digital é realidade.

Veja alguns aspectos decisivos para a nova mentalidade dos líderes executivos, que devem dar o tom dos processos seletivos, treinamentos e avaliações de desempenho no futuro próximo:

Aceleração da mudança

Apesar de a estimativa atual ser até 2030, isso não significa que a força de trabalho não sofrerá mudança até lá.

Pelo contrário, a aceleração da mudança é algo constante, e as empresas — bem como seus profissionais — precisam se preparar para novas alterações a qualquer momento.

Afinal, basta uma nova tecnologia disruptiva para transformar a economia mundial e, consequentemente, toda a força de trabalho.

Padrão parecido em diferentes setores de mercado

Os padrões encontrados pela McKinsey não são relativos a um setor específico. No estudo conduzido, foram avaliados 5 segmentos de mercado:

Em todos eles, os mesmos padrões foram encontrados, com pequenas alterações entre si.

Isso quer dizer que o setor não será um fator tão determinante para o tipo de habilidade desejada, pois todas as empresas terão algo em comum: o digital como foco.

Nenhuma habilidade será esquecida

Vivemos em um mundo cada vez mais conectado, em que a união de conhecimento e experiência prática valem ouro. A tendência é que nenhuma habilidade, mesmo as que parecem ser mais banais, seja esquecida.

As experiências pessoais e profissionais devem se misturar cada vez mais na formação de profissionais capazes de realizar de tudo.

O que as empresas vão buscar na força de trabalho

Já ficou claro que a mudança é cada vez mais rápida e inevitável, e que as empresas precisarão de profissionais com padrões de habilidades diferentes do que se busca hoje. Mas que habilidades serão mais valorizadas, afinal?

Segundo a pesquisa da McKinsey, já citada, o profissional de destaque no futuro próximo vai precisar ser mais completo e equilibrado, depender mais de sua habilidade intelectual do que física e saber lidar com diferentes situações.

Veja como as principais habilidades profissionais serão encaradas pelas empresas:

Habilidades tecnológicas

Já que estamos falando sobre uma transformação que se apoia totalmente no uso da tecnologia, nada mais justo que essas habilidades sejam as mais valorizadas.

O estudo da McKinsey aponta que o número de horas gastas com habilidades tecnológicas deve crescer 50% até 2030, apenas com respeito a atividades básicas. O aumento de atividades avançadas de TI e programação deve chegar a 90%.

Habilidades emocionais e sociais

A ideia de que a tecnologia elimina as emoções de qualquer procedimento não poderia ser mais enganosa. Prova disso é que as habilidades sociais e emocionais também deve ter um aumento substancial na nova era digital.

O motivo? Justamente pelo fato de que emoções e trato social são duas das características que a tecnologia ainda está longe de dominar. Espera-se um aumento de 26% no número de profissionais com essas habilidades.

Também se dará valor a pessoas com espírito empreendedor e iniciativa. Nesse sentido, o aumento deve ser de até 32%.

Habilidades cognitivas avançadas

As habilidades cognitivas avançadas, como criatividade, pensamento crítico e processamento de informações complexas, também aumentarão.

Isso indica que, numa era de dados e análises, a inovação e a capacidade de pensar de forma diferente serão diferenciais enormes para destacar uma empresa de seus competidores.

Habilidades físicas e cognitivas básicas

Por outro lado, as habilidades cognitivas básicas, como digitação, sofrerão bastante com a automação, que lidará com boa parte das tarefas de preenchimento de informações e processamento de dados básicos.

As habilidades físicas, que já vem sofrendo declínio nos últimos 20 anos, continuará caindo, com queda de 11%. Ainda assim, serão responsáveis por 25% do tempo de trabalho nas empresas, mais do que qualquer outra habilidade.

Como as organizações vão remodelar suas forças de trabalho para o futuro

Boa parte das organizações, de diferentes tamanhos e setores de mercado, têm em suas composições profissionais com perfil diferente do que será necessário para sobreviver na era digital.

Isso significa que as empresas vão precisar se remodelar e adaptar suas forças de trabalho o quanto antes. Como isso vai acontecer? Obviamente, não existe apenas uma maneira de agir.

É provável que as organizações se ajustem por meio de uma série de iniciativas, como:

Treinamento constante

É impossível manter o ritmo e a qualidade do trabalho em alto nível sem treinar adequadamente os colaboradores em um ambiente tão competitivo e que muda rapidamente.

Por isso, as empresas terão de treinar seus colaboradores a desaprender conceitos e a captar novas informações com agilidade, nas mais diversas áreas.

Troca de setores

Mudar profissionais de setor também é um recurso que deve ser explorado para usar melhor as habilidades que a pessoa já tenha e acelerar resultados no curto prazo.

Por outro lado, colocar alguém em uma função nova também pode servir para dar a ele experiência e ajudá-lo a desenvolver novas habilidades que sejam essenciais à organização como um todo.

Contratações

Os processos seletivos devem ser repensados para colocar em foco a aquisição de talentos com as habilidades mostradas acima. Em alguns casos, equipes inteiras com as habilidades necessárias podem ser contratadas.

Um risco que as empresas correm é a falta de qualificação para atender às crescentes demandas.

Terceirização

A terceirização faz todo o sentido para a nova forma como as empresas montarão suas forças de trabalho.

Necessidades variadas exigem habilidades distintas e, em muitos casos, valerá mais a pena contar com alguns colaboradores fixos e adicionar freelancers conforme as especificações de cada projeto ou ação.

Demissões

Naturalmente, nem todos vão se adaptar ao novo modo de trabalhar das empresas digitais, e esses precisarão ser demitidos para dar lugar aos profissionais habilitados.

As empresas estarão cada vez mais atentas aos custos gerados para manter a força de trabalho, então qualquer pessoa improdutiva terá de se adaptar rapidamente para não ser dispensada.

A transformação digital faz jus ao nome que leva, pois está promovendo mudanças radicais nas empresas, e ainda vai fazer muito mais.

A automação da força de trabalho já é realidade, e isso vai mudar a forma como se contrata, avalia e recompensa colaboradores. Prepara-se para esse cenário é questão de sobrevivência.

Outra área que sofre transformações recorrentes é a de marketing. Veja agora 11 estratégias que são tendências e podem trazer melhores resultados para a sua empresa!

Publicações relacionadas
ArtigosDesenvolva sua equipe

Como começar sua estratégia de marketing de conteúdo em 2019

Desenvolva sua equipe

Vale do Silício: empresas que podem te trazer insights valiosos

Desenvolva sua equipe

Marketing de Conteúdo para Educação em uma estratégia concreta

Desenvolva sua equipe

Customer Success e onboarding: o segredo de uma aliança perfeita