Artigos

Influenciadores virtuais não humanos reforçam posicionamento da marca e melhoram relacionamento com os clientes

Influenciadores virtuais não humanos

Influenciadores virtuais não humanos são uma realidade e o valor de seu trabalho é incontestável. A estratégia do Marketing de Influência faz muita diferença e capacita marcas a se comunicarem com segmentações bem específicas. Nos últimos tempos, no entanto, mais empresas têm construído sua identidade com figuras próprias.

Não necessariamente se trata de pessoas de verdade, mas de personagens criados para serem “a cara” da marca nas redes sociais. Sim, estamos falando de perfis como a Lu, do Magazine Luiza, a Gal, da Gol Linhas Aéreas, e a Nat Natura, da Natura. Cativantes, com linguagem ajustada ao público e com interação frequente, os influenciadores virtuais reforçam a estratégia de atuação.

Apesar do sucesso desses perfis, o que está por trás do trabalho de influenciadores virtuais? Mais do que a parte bem-humorada, há muita estratégia e uma atividade de monitoramento.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

A Lu do Magalu e o sucesso na construção da identidade de marca

A Magazine Luiza é, há anos, uma das mais importantes redes varejistas no Brasil, o que não necessariamente garantiria o sucesso da empresa no digital. Os públicos muitas vezes se diferem e, além disso, é necessário se comunicar da maneira certa para gerar interesse. A ideia da Lu não foi algo revolucionário, já que esse tipo de influenciador virtual era comum em outros segmentos.

O que tornou a estratégia tão bem-sucedida foi justamente a construção da personagem e, a partir disso, a forma como ela se comporta. Na prática, a personalidade desenvolvida para a Lu é uma tentativa de criar uma personalidade para o Magazine Luiza e, ao mesmo tempo, ir ao encontro do tipo de tom e da linguagem que o público da marca espera.

A receita é a mais simples possível quando pensamos em Marketing Digital: interagir para gerar engajamento, captar seguidores e, de fato, exercer a influência no público, além de doses precisas de storytelling. Essas narrativas, a propósito, são uma ferramenta de aproximação, já que a Lu mostra que, assim como seus seguidores, tem problemas de pessoas normais.

Com uma dose de bom humor e linguagem afetiva, a personagem trabalha com questionamentos sobre as preferências dos seguidores, fala de pautas que estão em alta e usa e abusa de memes e tendências da web. A Lu é a identidade de uma grande varejista, mas faz o papel de uma pessoa comum, ou seja, tenta simular as dores da persona do Magazine Luiza.

Magalu Pay é continuidade do trabalho da Magalu

A Lu é um sucesso, e os números comprovam: somados, seus perfis de YouTube, Twitter e Instagram resultam em 14 milhões de seguidores. A construção da imagem do Magazine Luiza por meio do Marketing de Influência é certeiro, o que abre caminho para continuar o jogo no digital.

Com um ambiente mais favorável e receptivo, a empresa deu o passo seguinte com o anúncio do serviço Magalu Pay. O produto determina a entrada da varejista no segmento de fintechs, em uma parceria com o Banco do Brasil. A marca é uma conta bancária digital em que é possível realizar transações financeiras de vários tipos, sempre com uma integração com o varejo físico.

O Marketing de Causa e a construção da Nat Natura

É impossível falar de influenciadores virtuais e não citar a Nat Natura, personagem que leva o nome da marca que representa. Mais do que isso, ela carrega uma importante voz para que seja difundida a ideia central do Marketing da Natura atualmente: as causas sociais.

A empresa tem se destacado nos últimos tempos ao abordar questões sociais e ambientais, então faz todo sentido ter sua influenciadora digital com essa abordagem. Nat Natura, a identidade da empresa na web, é uma jovem negra que se posiciona como influenciadora digital e consultora de beleza.

Na prática, a estratégia não foge muito do que a Lu da Magalu faz: uma linguagem acessível e totalmente nativa do digital, uma abordagem jovem e bem-humorada, o convite para a interação com os seguidores e a abordagem sobre temas que estejam em alta na web. Essa é, na base, a receita de sucesso da Nat Natura, especialmente no Twitter.

Nat Natura fala sobre aceitação, quebra de padrões de beleza e desconstrução

O crescente debate sobre a quebra de padrões de beleza é uma ótima pauta que tem sido constantemente debatida na internet nos últimos anos. A Natura é, assumidamente, uma empresa que se posiciona a favor disso e que estimula a ideia de que há várias formas de beleza, desconstruindo a ideia de padronização imposta pela publicidade tradicional.

Diante disso, por meio da Nat Natura, a marca aborda o tema de maneira leve e com ilustrações cativantes da personagem. Um bom exemplo são os posts em que ela usa do desafio dos 10 anos para mostrar como foi seu processo de aceitação dos cabelos cacheados, além de outro em que ela fala sobre sua transição capilar, usando o gancho dos posts de 5 fatos.

É com essa leveza na abordagem e na construção de uma figura carismática que a Natura consegue aplicar sua estabilização no digital e, principalmente, manter forte a sua estratégia de causa.

O que a lei gera de restrições a influenciadores virtuais

A legislação de alguns países, especialmente a dos EUA, tem se mantido atenta a essa extrema semelhança de alguns dos influenciadores virtuais a pessoas reais. Ainda que as personagens sejam construídas do zero, a perfeição do trabalho pode gerar confusão.

Uma pessoa que sente que sua imagem foi utilizada para construir a animação pode acionar judicialmente a empresa que usa esse personagem. Isso tem gerado muitos debates sobre casos similares que já aconteceram, e o que parece mais concreto no momento é a necessidade de identificação de todos esses personagens. No Brasil, no entanto, ainda não há essa obrigação.

Os influenciadores digitais devem ganhar papel ainda mais relevante em um futuro bem próximo, mas sua eficácia depende do entendimento de que eles são uma extensão da marca. Essas figuras precisam ter uma boa estratégia de Marketing por trás delas, garantindo engajamento e reforçando a personalidade de uma empresa.

Esses dois cases de sucesso são alguns dos que mais se destacam, mas há empresas para prestar atenção em 2020 que estão crescendo em outros aspectos.

Rock Content Magazine - 3ª EdiçãoPowered by Rock Convert
Publicações relacionadas
Artigos

Compaixão e liderança vão bem juntas?

Artigos

A Mídia Out-Of-Home durante o coronavírus

Artigos

Nas estratégias de marketing, em que pé está o vídeo?

Artigos

O que sua empresa ganha com eventos patrocinados online