Notícia

Leilão do 5G no Brasil não acontecerá em 2020

Leilão do 5G no Brasil é adiado

As empresas e pessoas que estavam ansiosas para finalmente conhecer todo o poder do 5G em 2020 terão que esperar no mínimo mais um ano. Segundo informação do Olhar Digital, o leilão da tecnologia que aconteceria logo no início da década ficará para o fim de 2021 ou começo de 2022.

Nos últimos meses do ano passado, as companhias telefônicas já defendiam o adiamento do leilão. O principal argumento da manifestação encabeçada por Oi, Tim e Vivo era que o investimento feito nas tecnologia 4G e 4,5G ainda precisava terminar de dar seu retorno e que as regras do leilão deveriam ser revistas para favorecer verdadeiramente o setor.

O 5G, que já está ativo em países como Estados Unidos e China, é visto como uma grande propulsão tecnológica. Sua baixa latência e o poder de compartilhamento de banda miram mais do que em uma transformação na velocidade de conexão, mas sim na capacidade de revolucionar o mundo de forma corporativa e social.

Leia mais

Como grandes empresas devem se preparar para o 5G

Segundo o Estado, o adiamento está relacionado a problemas técnicos que ainda precisam ser resolvidos. Existe a possibilidade que uma das frequências utilizadas para o 5G no Brasil entre em conflito com as antenas parabólicas para TV e que isso interfira no sinal.

As empresas que trabalham com a estrutura do 5G estão ansiosas pela implementação. Quanto mais isso demorar, mais tempo os equipamentos necessários para fazer a tecnologia acontecer ficarão parados e sem gerar lucro.

Ericsson e Nokia são algumas dessas companhias, bem como a chinesa Huawei. Esta última, porém, chama negativamente a atenção dos Estados Unidos, que desejam uma menor participação da empresa no Brasil.

Com informações da Olhar Digital e StartSe.

Publicações relacionadas
Notícia

Última aposta da Intel em Inteligência Artificial é uma negociação de U$ 2 bilhões vinda de Israel

Notícia

Ucommune, empresa de coworking chinesa, pode atrair investidores

Notícia

Apesar do ânimo, a confiança do investidor está baixa

Notícia

Aramco, empresa árabe-saudita, atinge valuation de U$ 2 trilhões