Artigos

Como liderar com a ansiedade ao seu lado

Lápis de madeira que foi mordido por uma pessoa com ansiedade

Como todos os colaboradores, os gestores também precisam lidar diariamente com a ansiedade, que pode ser causada por vários motivos. No entanto, a pressão de liderar uma equipe, de enfrentar as dificuldades, os anseios e as expectativas de cada um dos profissionais, pode fazer com que eles acabem entrando em um looping de preocupações, o que acarreta em crises ansiosas.

É necessário lembrar que um bom líder precisará driblar a liderança com ansiedade, superando essa situação sem deixar que esse problema reflita no trabalho não só do gestor, mas também, de toda equipe. É aqui que está o maior desafio.

Cuidar de si mesmo é o primeiro passo

Para se esquivar da liderança com ansiedade, é preciso aprender a cuidar de si mesmo. É muito comum que, durante um momento de inquietude, os profissionais se esqueçam de dar atenção à própria saúde e ao seu bem-estar.

Os líderes têm um papel duplo nesse momento: além de cuidar de si, estarão dando o exemplo para a equipe de que, mesmo que o trabalho seja importante, é preciso saber a hora de desacelerar. Nesse contexto, é fundamental que os profissionais sejam capazes de:

A ansiedade não pode ser negada

Um dos erros mais comuns é negar que a ansiedade existe. O segundo passo para conseguir atuar em uma liderança com ansiedade é, de fato, reconhecer a presença desse incômodo e se dispor a trabalhar da melhor forma possível, dadas as circunstâncias.

Quando o profissional aceita esse sentimento e entende que ele é real e está presente na sua rotina, é mais fácil criar estratégias para driblá-lo e conseguir resolver o problema. Dito isso, é hora de os líderes olharem para si e identificarem todos os incômodos e desafios que estão sentindo durante esse processo.

Durante a pandemia causada pela covid-19, por exemplo, não é raro encontrarmos uma equipe aflita pelas incertezas e um líder que, também ansioso, precisa lidar com as dificuldades de todo o seu time. Quando isso acontece, é necessário fazer uma pausa, respirar, ter uma conversa franca e aberta com todos os envolvidos. A partir daí, elaborar ações para melhorar a qualidade de vida e o bem-estar dos profissionais.

A saúde mental deve ser foco nas empresas

Uma pesquisa feita pela consultoria Great Place to Work mostrou que 75% das empresas se preocupam com a saúde mental dos colaboradores. Também, que grandes companhias têm oferecido apoio psicológico não só para reter os empregados, mas para ajudá-los a lidar com todos os problemas, pressões e questionamentos do dia a dia.

Essa pesquisa abordou ainda a imagem que os colaboradores têm do local onde trabalham. A esse questionamento, 82% dos entrevistados pontuaram que consideram a empresa um lugar emocional e psicologicamente saudável.

Ricardo Munhoz, diretor-executivo da empresa Ricardo Xavier Recursos Humanos, afirmou, inclusive, que as empresas que têm políticas de bem-estar mental conseguem manter a permanência dos profissionais, reduzindo as taxas de turnover e aumentando a eficiência da equipe.

De acordo com um estudo realizado pela UnB, Universidade de Brasília, 1,3 milhão de brasileiros, em 2008, se afastaram do trabalho devido ao estresse. Os números são alarmantes e, por isso, é fundamental que as empresas se adequem e consigam criar um ambiente que apoie e ajude colaboradores, gestores e líderes a lidar com a ansiedade e outros fatores emocionais.

Objetivos importam (mais do que nunca)

Liderar com ansiedade é um desafio, e são vários os caminhos que podem ser seguidos para contornar essa situação. Além do que já foi pontuado, como a necessidade de buscar auxílio profissional, estabelecer prioridades e tirar um tempo para si, é necessário definir quais são os objetivos, e conseguir criar um norte para as ações do dia a dia.

Muitas vezes, a ansiedade é proveniente da falta de metas claras, o que também nos tira a perspectiva do que está sendo feito e do que será necessário para o futuro. Por isso, um dos passos mais importantes para os líderes que estão ansiosos é estabelecer exatamente onde estão, ter clareza de sua realidade e traçar objetivos de curto, médio e longo prazo.

A sensação de realização a cada tarefa cumprida, rumo ao objetivo maior, pode ajudar a reduzir os níveis de estresse.

Para reduzir a ansiedade no ambiente de trabalho

São vários os fatores que podem agravar a ansiedade no ambiente de trabalho. Por isso, é fundamental que os líderes saibam lidar com cada um deles, tanto para melhorar o próprio quadro quanto para ajudar os colaboradores, que podem estar sofrendo dos mesmos conflitos.

Para melhorar o estresse no ambiente, é interessante que toda a estrutura esteja organizada e devidamente adequada para a realização das tarefas. Um ambiente agradável, propício ao trabalho, pode ajudar a melhorar a sensação de ansiedade diante das tarefas a serem realizadas no dia a dia.

Aprender a lidar com imprevistos também é algo necessário para a redução desse sentimento de aflição. Por mais que o planejamento esteja seguindo como o esperado, não é raro que alguns imprevistos aconteçam — e está tudo bem.

Os profissionais envolvidos nos projetos, desde líderes a colaboradores, precisam aprender a lidar com essas situações. Ter um objetivo claro, com metas bem estabelecidas e processos corretamente desenhados, ajuda a melhorar a performance e reduzir a ansiedade no dia a dia do trabalho.

É preciso driblar as dificuldades, cuidar de si e identificar de onde estão vindo os sentimentos ansiosos. Não é tarefa fácil, mas é extremamente necessária para manter a saúde e o bem-estar no dia a dia.

É por isso que a palavra “resiliência” está em seu momento de protagonismo. Para lidar com as dificuldades e desafios no ambiente de trabalho, em tempos de incertezas, recomendamos a leitura do artigo Na dificuldade, resiliência é o que buscamos.

Publicações relacionadas
Artigos

Sistemas de gestão de aprendizagem auxiliam a aumentar o LTV de empresas

Artigos

Como o Facebook ainda está crescendo?

Artigos

Compaixão e liderança vão bem juntas?

Artigos

A Mídia Out-Of-Home durante o coronavírus