Artigos

Mc Donald’s leva Inteligência Artificial ao mercado de alimentos

Mc Donalds leva Inteligência Artificial ao mercado de alimentos

Em breve, clientes das 37 mil lojas do Mc Donald’s em mais de 120 mercados em todo o mundo viverão uma nova experiência de atendimento. A varejista líder global em serviços de alimentação assinou um contrato para adquirir a Dynamic Yield, companhia israelense de Big Data. O valor da transação é estimado em US$ 300 milhões.

A aquisição visa utilizar a tecnologia de análise de dados para oferecer atendimento mais personalizado aos clientes do Mc Donald’s. A rede de fast food planeja utilizar cardápios com Inteligência Artificial para indicar alimentos de acordo com clima e tendências de consumo. Também será uma oportunidade para controlar de forma mais eficiente o atendimento caso o número de clientes esteja além do esperado.

Com sua maior aquisição desde 1999, o Mc Donald’s sinaliza na direção de ser pioneiro em levar decisões baseadas em tecnologia a pontos de venda no mercado de alimentos.

Transformação digital no mercado de alimentos

Em comunicado, o presidente e CEO da McDonald’s, Steve Easterbrook, ressaltou a expectativa de transformar digitalmente o atendimento aos clientes de suas franquias. “A tecnologia é um elemento crítico do nosso Plano de Crescimento de Velocidade, melhorando a experiência de nossos clientes, proporcionando maior conveniência em seus termos”, afirmou.

Conforme descrição da própria Dynamic Yeld, sua plataforma Personalization Anywhere™ ajuda a “aumentar a receita ao individualizar as interações de cada usuário na web, em dispositivos móveis e por e-mail”. Quando o consumidor adiciona um item a um carrinho de compras on-line, é a tecnologia que aponta o que outros clientes também compraram.

“O Dynamic Yield desempenhará um papel fundamental na transformação digital do McDonald’s, permitindo que ele se torne ainda mais focado no cliente, implantando nossa tecnologia em displays de menu drive-thru digitais externos, bem como outros pontos de contato de experiência digital do cliente, como quiosques de autoatendimento e o aplicativo móvel global do McDonald’s”, diz o comunicado da Dynamic Yeld.

Personalização em massa

Diariamente, o Mc Donald’s atende cerca de 68 milhões de clientes, sendo que a maioria deles faz seus pedidos sem sair do carro. Será justamente quem opta pelo drive-thru que perceberá os primeiros impactos do uso da inteligência artificial.

Ao personalizar os atendimentos para cada cliente atendido em suas franquias, o Mc Donald’s dá um passo importante para a estratégia delineada pelo CEO Steve Easterbrook.

“Como você faz a transição do marketing de massa para a personalização em massa? Para fazer isso, você realmente precisa desbloquear os dados dentro desse ecossistema de uma maneira que seja útil para um cliente”, comentou Easterbrook em entrevista à WIRED.

Atualmente, quando um cliente se dirige até o local de atendimento, ele vê as ofertas de forma estática. Conforme relatado pela WIRED, em um programa piloto em Miami, com o Dynamic Yeld, o Mc Donald’s testou novas formas de apresentação de seus alimentos.

Os algoritmos processam dados diversos quanto o clima, a hora do dia, o tráfego local, os eventos próximos e os dados históricos de vendas, tanto nessa franquia específica quanto em todo o mundo.

A ideia é que a inteligência artificial indique aos clientes quais são os produtos mais populares, para gerar oportunidades de upsell. Como em qualquer iniciativa de IA, com o tempo, é esperado que o sistema se torne mais inteligente, aprimorando as ofertas.

“Quando você olha para as respostas que esse mecanismo de decisão fornece, pode não parecer tão óbvio, para começar, mas para os clientes faz sentido. Não é apenas sobre o indivíduo, ele também está recebendo informações de outros clientes. Só vai ficar cada vez mais inteligente, quanto mais os clientes interagem com ele”, explicou Daniel Henry, vice-presidente executivo e diretor global de informações do McDonald’s.

Análise preditiva e redução de desperdício

Gerar upsell no drive-thru é apenas uma das alternativas que a inteligência artificial oferecerá ao Mc Donald’s. Em uma análise preditiva, há a expectativa de que haja a integração entre o volume de atendimentos e a cozinha. Assim, as franquias serão capazes, por exemplo, de ofertar itens mais simples de serem preparados quando a fila de atendimento estiver muito grande.

“Em última análise, você pode ver que poderemos usar a análise preditiva — teremos informações em tempo real, quando começarmos a conectar a cozinha juntos — mais adiante em nossa cadeia de suprimentos. Tenho certeza que isso vai acontecer”, avalia Steve Easterbrook.

Com a análise preditiva, a rede melhorará sua gestão de estoque e toda a cadeia de suprimentos. Consequentemente, gastos com desperdícios tendem a ser minimizados, o que tende a impactar significativamente os resultados financeiros de uma operação em larga escala como a do Mc Donald’s.

“Nós nunca tivemos um problema neste negócio com a falta de dados. É tirar o insight e a inteligência disso”, complementa o CEO da gigante de alimentos.

A incorporação de Inteligência Artificial ao mercado de alimentos é um gás a mais para os resultados da companhia. Em 2018, o Mc Donald’s registrou quase US $ 6 bilhões de lucro líquido.

Gostou deste artigo? Aproveite também para entender como o Carrefour tem utilizado inovação digital no maior supermercado do Brasil!

Publicações relacionadas
Artigos

Parceria entre Spotify e Oracle promete novo formato de anúncios no mercado automotivo

Artigos

Insurance content marketing: o poder do conteúdo para quebrar o tabu do mercado de seguros

Artigos

Comunicação digital no mercado cervejeiro: novas estratégias de posicionamento de marca

Artigos

Project Feels: The New York Times testa anúncios com base nas emoções que provoca em seus leitores