Notícia

CEO do Canva, Melanie Perkins, de 32 anos, tem empresa avaliada em US$ 3,2 bilhões

Melanie Perkins, CEO do Canva

O Canva Inc., plataforma australiana de design, anunciou que recebeu US$ 85 milhões, valor liderado principalmente pela firma de capital de risco de Mary Meeker, o que fez sua avaliação chegar a US$ 3,2 bilhões.

Isso torna a companhia, co-fundada pela CEO Melanie Perkins de 32 anos, uma das startups de tecnologia comandadas por uma mulher mais valiosas do mundo. O investimento vem cinco meses após Meeker, uma figura popular no Vale do Silício devido a seus relatórios anuais sobre tendências na internet, escolher o Canva como o primeiro investimento da sua nova firma de capital de risco, a Bond Capital. Esse financiamento mais do que duplicou a avaliação do Canva, que na época chegou a US$ 2,5 bilhões, e agora a Bond insere mais capital e lidera a última rodada de financiamento.

As empresas General Catalyst, Bessemer Venture Partners, Blackbird e Sequoia China também participaram do novo financiamento. O capital será usado para promover grandes mudanças, disse Perkins em uma entrevista por telefone: o dobro no número de funcionários, que irá para mais de 1.400, no próximo ano e a introdução de um novo Canva para Grandes Empresas.

Leia também
De CEO para CEO: conselhos sobre cultura organizacional, por Diego Gomes

As estratégias que CEOs de alta performance utilizam para gerenciar o tempo

O site e aplicativos do Canva ajudam pessoas e companhias criarem banners, logotipos, gráficos para mídia social e apresentações. Desde seu nascimento em 2013 com a missão de facilitar o design para todo mundo, a startup sediada em Sydney expandiu com escritórios em Manila, Filipinas, e em Pequim, China.

“Estamos trabalhando muito próximos a Mary Meeker e seu time na Bond desde a última rodada de financiamento”, disse Perkins. “Vimos que há uma oportunidade gigantesca de ajudar empresas a transformar de verdade o local de trabalho e se tornarem mais eficientes”.

O foco da companhia para o futuro próximo será expandir serviços para negócios e criar produtos de apresentação, ela completou. O argumento do Canva é que funcionários que não são designers e que estão em fuso-horários diferentes conseguirão colaborar facilmente e produzir materiais e apresentações de marketing consistentes em qualquer momento. Cerca de 85% das empresas do Fortune 500, lista com as 500 maiores corporações dos Estados Unidos, já usam o serviço, o que confere credibilidade ao discurso do Canva.

O modelo de negócios da empresa, construído em volta de conteúdo, comunidade e comércio, é uma característica que a Bond Capital enxerga em algumas das companhias que mais crescem no mundo, disse Mood Rowghani, da Bond.

“O Canva está lançando uma versão especial para consumidores enterprise, o que permitirá que os negócios mantenham a consistência de sua marca em escala”, comentou Rowghani. “Acreditamos que a plataforma do Canva pode mudar de forma fundamental como trabalhamos”.

Perkins viu a necessidade de algo como o Canva enquanto estudava na University of Western Australia e dava tutoria para outros estudante sobre como usar softwares tradicionais de design. Para ela, essas ferramentas custavam caro e eram difíceis de aprender e usar.

Eu imaginava um futuro em que o design seria inteiramente diferente. Online, colaborativo e muito simples.

Melanie Perkins, CEO do Canva

Aos 19 anos, Perkins e Cliff Obrecht se tornaram parceiros e lançaram sua primeira plataforma de design, a Fusion Books. Em 2013, Cameron Adams se juntou à dupla e os três co-fundaram o Canva.

Hoje, o Canva é usado em 190 países e a companhia tem mais de 20 milhões de usuários mensais ativos.

Este conteúdo é uma tradução e adaptação do texto originalmente produzido pela Bloomberg.

Publicações relacionadas
Notícia

Ganhos do Facebook no Q3; Twitter bane anúncios políticos; e Threads, novo app do Instagram

Notícia

Microsoft testou trabalhar 4 dias por semana e a produtividade aumentou 40%

Notícia

Parte de um mercado que investe cada vez mais em mídia, Neo Química lança plataforma de conteúdo

Notícia

P&G cria seu banco de dados para não depender de grandes empresas de tecnologia