Artigos

O interesse da Apple em vender serviços

Loja da Apple na Quinta Avenida, Manhattan

Desde seu início, a Apple esteve focada em desenvolvimento e venda de produtos inovadores. A marca ganhou notoriedade e prestígio em todo o mundo com seus modelos de iPhones, iPods e computadores. Na busca por continuar se destacando, a nova aposta são os serviços, que elevam a empresa a um novo patamar.

Na atualidade, os usuários da marca já podem utilizar o armazenamento na nuvem, streaming de música e sistema de pagamento móvel. Porém, a intenção da organização é ir além e oferecer uma variedade de serviços, que incluem desde assinatura de vídeos até soluções financeiras.

As novidades da Apple visam impactar o mercado e torná-la ainda mais poderosa, não só em se tratando de hardwares, mas em diferentes segmentos.

A maçã cresceu

Os eventos que a Apple realiza para apresentar seus lançamentos já são parte da cultura da empresa. Na edição de setembro de 2019 o iPhone deixou de ser o protagonista e a marca trouxe à tona um pacote de serviços aos usuários.

Apple TV+

Um dos lançamentos mais comentados da empresa é a Apple TV+, um serviço de assinatura de vídeos que conta com filmes, série e documentários exclusivos. Embora a companhia tenha interesse em liberar conteúdos produzidos por parceiros, o foco é produzir e oferecer conteúdo próprio.

A partir dessa ferramenta, os usuários podem acessar vídeos tanto online quanto offline, bastando fazer download do arquivo. O serviço tende a ser um concorrente direto da Netflix, que é líder do segmento de streaming.

Apple Arcade

Trata-se de uma plataforma de assinatura de jogos, que tem mais de 100 games exclusivos. Alguns dos nomes que fazem parte do projeto são: The Sims, Final Fantasy e SimCity. Todos os jogos poderão ser acessados offline e muitos deles são liberados somente após o download.

Além disso, vários games podem ser jogados sem necessidade de utilizar controles. Também é possível dar continuidade ao jogo em diferentes plataformas. Assim, se o usuário iniciou uma fase no celular, poderá concluí-la na TV, por exemplo.

Apple News

Para manter seus usuários informados, temos a Apple News, uma plataforma que reúne os principais jornais e revistas do mundo, como The New Yorker e National Geographic. São mais de 300 revistas com temas variados, incluindo política, entretenimento, notícias, moda e saúde.

Cartão de crédito Apple

Ao se inscrever para utilizar o cartão da Apple, a pessoa recebe um cartão virtual no seu celular, de forma rápida e simples. Porém, caso o usuário queira, também existe a opção de solicitar um cartão físico de titânio. Todos os dados desse serviço serão armazenados no aplicativo Wallet.

Com a ferramenta, pode-se controlar melhor as contas, pois ela avisa sobre os gastos realizados. Sem falar que a empresa também criou o sistema de pontos Daily Cash, dinheiro virtual que pode ser usado para pagamento em lojas ou enviado para amigos.

O que a Apple ganha com seus serviços

Ao contrário do que vinha acontecendo na última década, em que lançava produtos sempre que uma categoria de aparelhos perdia a atratividade no mercado, hoje a Apple está vendo seus produtos desacelerarem. Os consumidores estão deixando de substituir os celulares a cada lançamento, já que as inovações recentes são consideradas evoluções incrementais em desempenho ou design.

Basicamente, a empresa se tornou refém de novos produtos para continuar faturando alto. Segundo o relatório de resultados da Apple em 2018, 61% das suas receitas vêm da venda de iPhones e 27% estão relacionados a Macs, iPads e Apple Watch. A companhia faturou cerca de 11 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2018, tendo uma queda para 10 bilhões de dólares no mesmo período de 2019, de acordo com comunicado enviado ao mercado.

Diante da queda na venda de produtos, optar pelo desenvolvimento e venda de serviços é uma saída inteligente para que a marca não perca o prestígio junto ao público consumidor. O setor de serviços não é exatamente algo novo para a Apple, pois ela já oferece o Apple Music, o iCloud e o Apple Pay. Conforme o pronunciamento de Tim Cook, CEO da Apple, o negócio de serviços gerou mais de 10 bilhões de dólares no quatro trimestre de 2018, ou seja, 12% do faturamento no período. No último ano, esse número era de 10%.

Portanto, é nítido que o setor de serviços tende a conquistar cada vez mais a preferência dos usuários e ser muito lucrativo para a Apple. Com a mudança de estratégia e disponibilização de novas plataformas, a empresa se reinventa, o que contribui para que se mantenha relevante no mercado, despertando o interesse de consumidores e investidores.

O que esperar do futuro

A gama completa de serviços da Apple é eficiente no quesito rendimento, visto que estimula os usuários a continuarem gastando dinheiro dentro do ecossistema da empresa. O pacote de serviços traz a possibilidade de receita recorrente com o pagamento de mensalidades, o que não acontece com a venda de aparelhos, em que só se recebe uma vez.

Outra expectativa é que a cartela de serviços aumente a demanda pelos aparelhos da marca, haja vista que alguns só poderão ser acessados por meio das plataformas exclusivas da companhia. Portanto, a nova estratégia também ajuda a aquecer a venda de dispositivos.

Todavia, há que se ressaltar que os serviços lançados não são exatamente inovadores, pois nenhum deles é disruptivo; todos terão que lidar com concorrentes no mercado. O Apple TV+, por exemplo, enfrentará rivais poderosas, como Netflix e Amazon.

Na área de games, a empresa terá um embate com Sony, Microsoft e Google. Uma das formas adotadas para se diferenciar dos concorrentes é mostrar-se confiável, garantindo a privacidade de dados.

A queda nas vendas dos aparelhos eletrônicos acendeu uma luz vermelha na companhia fundada por Steve Jobs. Desse modo, com os serviços da Apple, a marca faz da crise um momento de oportunidade para se expandir e faturar em outros setores.

Mesmo que tenha concorrentes de peso, a credibilidade que a companhia alcançou ao longo da sua atuação no universo da tecnologia deverá abrir portas, manter a fidelização dos usuários dos seus dispositivos e chamar a atenção de quem busca outras alternativas em relação aos serviços que já estão estabelecidos no mercado.

Isso tudo se faz possível porque a Apple é uma das marcas mais valiosas do mundo. Um dos motivos para isso é a sua estratégia de fidelização de clientes.

Publicações relacionadas
Artigos

Tecnologia no recrutamento e o que o futuro nos reserva

Artigos

Sistemas de gestão de aprendizagem auxiliam a aumentar o LTV de empresas

Artigos

Como o Facebook ainda está crescendo?

Artigos

Compaixão e liderança vão bem juntas?