ACOMPANHE AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS E NOVIDADES DO MERCADO NO BLOG INTELIGÊNCIA

tendências de transformação digital

Tendências de transformação Digital: A nova era do marketing empresarial

Os CMOs precisam mudar rapidamente seus processos de marketing, o que inclui a análise da transformação digital.

A IDC prevê que, até 2020, cerca de 50% das empresas que surgiram a partir do ano 2000 verão que a maioria dos seus negócios dependem da sua capacidade de criar produtos, serviços e experiências digitalmente aprimoradas.

Isso é necessário, pois as preferências dos consumidores estão em constante mudança, o que significa que as empresas devem procurar constantemente uma abordagem precisa e personalizada para o público-alvo.

Se os CMOs não adaptarem seus negócios de acordo com as realidades modernas, eles não alcançarão uma abordagem de marketing digital eficiente e mensurável.

E essa iniciativa precisa vir do líder de marketing. O relatório “Effective leadership in the digital age” da Econsultancy mostrou que a responsabilidade pelos projetos digitais precisam ser dos executivos da empresa.

Cerca de três quartos dos entrevistados concordaram que as prioridades estratégicas e a direção das empresas são responsabilidade dos líderes administrativos.

No entanto, apesar de já termos muitos exemplos de empresas que estão investindo nesta estratégia de transformação digital, ainda é um desafio saber por onde começar.

Portanto, decidimos reunir as principais tendências de transformação digital que estamos observando no mercado. Confira!

Conheça a possibilidade da transformação digital na sua empresa

Em suma, a estratégia de transformação digital é adaptar-se às realidades digitais modernas.

Existem várias razões pelas quais os principais gerentes realizam transformação.

De acordo com o relatório "2016 State of Digital Transformation", 55% das pessoas responsáveis ​​pela transformação digital em suas empresas consideram que o principal motivo para o processo é evoluir acompanhando os comportamentos e as preferências dos clientes.

No entanto, o desafio número um dos executivos (71%) é entender o comportamento ou o impacto do novo cliente.

Por isso, primeiramente, entenda seu cliente para identificar a possibilidade dessa estratégia na sua empresa.

A era digital acelerou ainda mais a mudança no comportamento dos consumidores. Portanto, cada vez mais, as empresas precisam ser rápidas para conseguirem se adaptar e se digitalizar.

diego-gomes-150x150.png

“O comportamento do cliente muda frequentemente, portanto a transformação digital é uma jornada contínua. É um projeto que nunca vai parar.

Se você chegar na conclusão que o seu negócio ficou muito mais eficiente depois do seu projeto terminado, saiba que há sempre mais para fazer!

Eu procuro me atualizar todos os dias e para isso leio inúmeros feeds sobre novidades no mundo do Marketing Digital. E não satisfeito em guardar esses conhecimentos para mim, procuro sempre compartilhá-los com o meu time.

Penso adiante, olho as tendências tecnológicas globais e sei que investir na tecnologia está sendo o maior benefício para os meus clientes agora e será futuramente.”

Diego Gomes - CMO da Rock Content

Descubra as últimas tendências de transformação digital

Primeiramente, é importante entender que a transformação do marketing digital é em si uma tendência.

Muitas empresas estão atualmente envolvidas no processo de transformação digital.

Portanto, aquelas que demorarem para investir acharão muito difícil vencer seus concorrentes. Os executivos de marketing precisam transformar seus negócios, pois seus competidores estão tendo a mesma conversa.

O conhecimento das últimas inovações em transformação digital permitirá que as empresas se adaptem às modernas realidades do mercado.

Isso permitirá expandir a área de influência da sua empresa no mercado, trazendo benefícios inegáveis.

O último relatório do Altimeter Group’s descobriu que 41% dos líderes entrevistados testemunharam um aumento na participação de mercado devido aos esforços de transformação digital.

Descubra agora as principais tendências que impulsionam esta estratégia.

Big Data

O Big Data está tendo um grande impacto nos processos internos da organização e seu papel está crescendo.

O relatório do McKinsey Global Institute diz que o volume de dados cresce 40% por ano.

Porém, trabalhar e analisar Big Data está sendo muito importante em 2017. Ele se mostrou essencial para entender como a empresa opera. Agora, todas as decisões importantes podem ser baseadas estritamente em dados e análises.

Portanto, a análise destes dados é o coração da transformação digital.

Ela é necessária não só para uma competição bem-sucedida, mas também para uma rápida identificação das preferências dos usuários.

A IDC calcula que, até 2020, o universo digital chegará a 44 trilhões de gigabytes, ou seja, 10 vezes mais do que em 2013.

É preciso analisar estes dados e transformá-los em um plano de ação, para obter melhores informações, tomar decisões mais rápidas e mais precisas e, finalmente, ter uma valiosa vantagem competitiva.

Esta análise avançada dos dados concede às empresas mais informações sobre qualquer organização e processos de produção, clientes e mercados.

Para uma jornada de transformação digital bem-sucedida, você precisará estabelecer novas formas de alavancar e monetizar dados. Para isso, a análise de dados precisa ser incorporada em todos os canais e aplicativos da sua empresa.

De acordo com a IDC, até 2019, 40% dos projetos de TI irão criar novos serviços digitais e fluxos de receita que monetizem dados. Os dados realmente se tornaram uma nova moeda da economia digital.

No entanto, usar todas essas informações de forma integrada e unir tudo em uma fonte central de dados é um dos maiores desafios da transformação digital.

Estar em todos os canais é importante, mas isso tem como consequência a criação de "data silos". Esses dados soltos e que impedem a consistência ocorrem sempre que um sistema de dados é incompatível ou não está integrado com outros sistemas.

Unir todos estes pontos e conectá-los para trabalhar a experiência do cliente de uma forma otimizada é um dos principais problemas que a organização precisa enfrentar.

A Internet das coisas

De acordo com o IDC 2016 Global IoT Decision Maker Survey, 31,4% das organizações pesquisadas lançaram soluções de internet das coisas ou IoT e 43% possuem plano de implantá-las nos próximos 12 meses.

Além disso, 55% dos entrevistados vêem a IoT como importante para a competitividade das empresas.

A IoT é a conexão de diversos objetos com a internet, além daqueles com que já estamos acostumados, como smartphones, tablets e computadores.

Esses objetos, combinados com sistemas automatizados, podem ajudar a coletar informações em tempo real, analisá-las e criar ações de resposta conforme a necessidade.

Dessa forma, a Internet das Coisas nada mais é do que uma expansão da conectividade.

Devido à tecnologia IoT, é possível se concentrar em trabalhar soluções finais e oferecer valor real aos clientes.

Ela pode ajudar a coletar dados brutos de dispositivos e rastrear seu desempenho. Os executivos da empresa podem usar os dados para criar experiências de usuários personalizadas e melhorar a funcionalidade do dispositivo.

Em 2015, havia cerca de 15,4 bilhões de dispositivos conectados. De acordo com a IHS, esse número aumentará para 30,7 bilhões em 2020 e 75,4 bilhões até 2025.

A IoT é uma das principais tendências da tecnologia mundial, e tem o poder de revolucionar a forma como vivemos e interagimos com o mundo à nossa volta. Por isso, muitas empresas estão investindo nesta estratégia.

A Cisco, por exemplo, promove o Internet World of Things World Forum e ao fornecer uma grande quantidade de estudos de caso, ela aumentou a oportunidade da IOT em cerca de US $ 19 trilhões. Estas são algumas das razões pelas quais a ZK Research classificou a Cisco como o fornecedor mais associado a internet das coisas.

Realidade virtual e aumentada

A Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR) transformarão o local de trabalho e abrirão novas maneiras de entregar produtos e serviços aos clientes. Isso permite que os usuários apreciem a escala real dos objetos.

Ambas as tecnologias são especialmente úteis para empresas de varejo.

Eles permitem que os clientes examinem e até "toquem" o produto antes de comprar. Por exemplo, as pessoas podem medir de forma remota roupas e sapatos para ter mais confiança na compra.

Isso resolveria um grande problema dos e-commerces brasileiros, já que um dos principais obstáculos apontados na pesquisa E-commerce Trends 2017 por quem nunca comprou virtualmente foi a vontade de experimentar e ver o produto pessoalmente antes de adquiri-lo (71,4%).

O aplicativo Sampler, por exemplo, permite "medir" os calçados Converse antes de comprar.

Já as plataformas de realidade aumentada, como o Tango do Google, permitem a criação de uma experiência muito realista e inovadora que poderá trazer um grande impacto no marketing.

 As oportunidades criadas por realidades aumentadas e virtuais mudam a essência da interação entre clientes e provedores de serviços.

 

 

 

Alguns especialistas preveem que, até 2017, essas tecnologias irão complementar a estratégia de marketing para considerações essenciais.

As empresas também podem incorporar essas tecnologias em seus processos internos. Por exemplo, o treinamento da sua equipe de marketing pode ser melhorado usando um dispositivo de treinamento de realidade, que contará com a ajuda de um assistente virtual.

A equipe também pode fazer apresentações em um ambiente virtual para os clientes e assim, tornar a experiência mais tangível.

Inteligência Artificial

A inteligência artificial já está bem estabelecida e pode fornecer uma variedade de benefícios.

Stacy DeBroff, CEO e fundadora da Influence Central, disse que "2017 será o ano em que iremos olhar mais para inteligência artificial (IA) como forma de ajuda".

A tecnologia de aprendizagem de máquinas usa diferentes algoritmos que permitem lidar com dados de forma eficiente. Ela não requer análise humana e pode fazer conclusões com base em informações coletadas.

Além disso, ela pode ajudar a automatizar e otimizar os processos de marketing.

Os executivos da empresa também estão colocando muita atenção em chatbots. Grandes empresas como a Microsoft também experimentaram essa tecnologia.

Os Chatbots são aplicativos de interfaces de voz. Num futuro próximo, as empresas adotaram plataformas de chatbot da mesma maneira que atualmente estão adotando plataformas móveis e IoT.

Chatbots como o Clara, que ajuda empreendedores em seus primeiros desafios, podem ter suas possibilidades resumidas por um conjunto de fluxogramas. Isso significa que, conforme os comandos e respostas do usuário, o chatbot vai seguindo um ou outro caminho.

chatbots

Porém, algumas empresas estão investindo além de simples alternativas de inteligência artificial.

Recentemente, o Google lançou o dispositivo Google Home, um alto-falante ativado por voz que usa os recursos do Google Assistente. É só você dizer “ok, google”, fazer perguntas e pedir para que ele realize tarefas.

 Conclusão

Muitas empresas estão incorporando a estratégia de transformação digital em seus processos de marketing.

 

 

 

Para acompanhar os concorrentes, os CMOs devem começar a adaptar seus negócios a essas novas realidades, começando por se manter a par das últimas tendências da transformação digital.

Para saber mais e ver essa estratégia na visão do nosso CMO, Diego Gomes, confira o post “Afinal, o que é transformação digital?”.