Artigos

Há mais de uma forma de empresas venderem pelo Instagram

Venda pelo Instagram

À medida em que o Instagram ganha popularidade e acrescenta recursos para a experiência dos seus usuários, o comércio eletrônico aproveita um hábito introduzido pela criatividade de alguns jovens para proporcionar aos clientes um ambiente diferenciado de vendas.

Empresas podem aprender com os adolescentes — e não é exagero

Diferentemente do que muitos podem imaginar, um dos movimentos de venda pelo Instagram não tem origem em nenhuma empresa, mas sim na iniciativa de alguns adolescentes que resolveram inovar o seu modo de utilizar o aplicativo.

Dentre as campanhas que chamaram atenção, e certamente inspiraram outras pessoas e negócios, está o “leilão” das jovens Shipman e Merrigan Allen, de 16 anos. Elas aproveitaram o engajamento com o grande número de seguidores e começaram postar itens de vestuário à venda, para que as pessoas dessem lances nos comentários. Concluída a venda, elas passavam para a etapa de mensagens diretas com o comprador para organizar formas de envio e pagamento. 

A partir daí, é provável que milhares de outras adolescentes tenham copiado o modelo, trazendo inovações. Mas o fato é que as empresas passaram a enxergar essa atividade como um novo jeito de fazer negócios.

Isso não significa abandonar os métodos já consagrados, mas agregar experiências valorosas ao seu público. Afinal, o Instagram é uma das redes sociais mais utilizadas no mundo.

O comportamento das pessoas está diferente. De acordo com o último estudo divulgado pela SimilarWeb, o tráfego mobile teve um aumento de 30,6%. Na outra via, o tráfego oriundo de desktops caiu 3,3%. Além disso, de 2017 para 2019, o tempo gasto em sites caiu 49 segundos.

Nas projeções do Cisco Mobile Data Traffic Forecast, o tráfego móvel cresceu 17 vezes nos últimos cinco anos e a expectativa é que esse tipo de navegação seja responsável por 20% do tráfego em 2022.

As publicações de compra da própria plataforma continuam fortes

No final de março de 2019, o Instagram lançou o recurso de checkout, que permite aos clientes a compra de produtos diretamente pelo aplicativo. Embora ainda esteja em fase de testes, muitas marcas já aderiram à novidade.

Para uma experiência de compra ininterrupta, o Google Checkout é a ferramenta que garante que usuários possam armazenar informações de cartão de crédito e dados de remessa no aplicativo. Aos poucos, novos recursos são adicionados para aprimorar o serviço.

Graças ao novo recurso, os usuários do Instagram podem concluir sua jornada de compra, da descoberta ao checkout, sem sair do aplicativo, proporcionando conforto e praticidade, tão valorizados pelos consumidores modernos.

A partir dessas funcionalidades, a venda pelo Instagram ganhou força. O poder de alcance das marcas sobre seus consumidores aumentou: seu catálogo de produtos já pode ser conectado ao perfil e a finalização de uma compra pode ser feita em poucos cliques.

As postagens com produto à venda no Instagram são marcadas com um pop-up “Toque para ver os produtos” ou um pequeno círculo branco com o ícone da sacola de compras.

Segundo informações da HubSpot, 80% dos 800 milhões de usuários do Instagram já estão seguindo uma conta de “negócio ativo de compras” — outros 200 milhões desse público visitam um ou mais perfis de negócios diariamente.

Lembrando que essa não é a única forma de trabalhar as vendas na plataforma. O recurso Linkin.bio também pode funcionar muito bem para direcionar um tráfego orgânico para a página da empresa.

Além disso, o stories também podem ser utilizados para fazer essa linkagem com o site — ferramenta esta que faz muito sucesso com os influenciadores digitais.

Transformar hábitos online em dinheiro é uma progressão natural. Um estudo publicado pelo site Inputmag, por exemplo, aponta que 86% dos jovens americanos querem se tornar influenciadores digitais.

Esse movimento faz com que trabalho digital seja cada vez mais considerado como um caminho viável para as empresas ampliarem o seu alcance de mercado. Na verdade, introduzir meios de compra online está quase se tornando um requisito obrigatório para manter a competitividade.

Relação próxima do consumidor proporcionada pela plataforma precisa ser explorada

Um dos motivos do sucesso no desempenho dos jovens pelo Instagram é a proximidade na interação com as pessoas. A ideia é fazer com que a experiência de compra pareça uma relação entre amigos, e não um diálogo com uma conta empresarial.

Isso acontece da maneira bem natural na plataforma, e vai ao encontro do objetivo das marcas de adotarem um posicionamento mais humanizado. Logo, é uma excelente oportunidade para explorar a estratégia em favor do seu negócio.

O consumidor moderno busca por conexões reais — suas escolhas são influenciadas pela autenticidade e engajamento da empresa com as causas em que eles acreditam. E o Instagram é um espaço propício para esse tipo de comunicação.

Além de divulgar os produtos da marca, um perfil nessa rede social pode ser utilizado para dar conselhos individuais aos seguidores, levar informações sobre vida, esportes, saúde, entretenimento, tudo de acordo com o interesse dos clientes.

Como o trabalho digital é cada vez mais levado em consideração no momento de realizar uma compra, manter uma presença online forte é indispensável para se manter competitivo e expandir as possibilidades de vendas.

Parcerias com influenciadores digitais podem render excelentes resultados, já que muitos consumidores confiam nos conselhos dessas pessoas antes de fazer um compra. Embora não exista uma receita de sucesso que contemple todos os tipos de negócios, a venda pelo Instagram tem se mostrado uma estratégia bastante vantajosa para as marcas de modo geral.

O público presente na plataforma é diversificado e os níveis de engajamento costumam ser altos. Portanto, as empresas que conseguirem identificar a sua audiência e proporcionar a compra de forma nativa no app têm grandes chances de elevar seus lucros.

Com a popularização do uso de smartphones, assegurar o crescimento do tráfego mobile se tornou indispensável para manter a sua competitividade no mercado.

Publicações relacionadas
Artigos

Sistemas de gestão de aprendizagem auxiliam a aumentar o LTV de empresas

Artigos

Como o Facebook ainda está crescendo?

Artigos

Compaixão e liderança vão bem juntas?

Artigos

A Mídia Out-Of-Home durante o coronavírus